/ Artigos

Rodízio de pneus: como e por que ele deve ser feito

O rodízio de pneus ainda é um tema que gera dúvida nos motoristas: será que deve ser feito? De quanto em quanto tempo? E como realizar essa troca? Trouxemos a resposta para essas dúvidas e explicamos a maneira correta de realizar o rodízio.

Se você é uma das pessoas que ouve falar no rodízio de pneus, mas nunca soube exatamente se é certo fazê-lo, saiba que não está sozinho. Muitas marcas de carro recomendam o procedimento, outras contraindicam, e os motoristas ficam sem saber qual está certo.

Para entender a questão e decidir o que fazer, o melhor é analisar os argumentos dos profissionais que recomendam o rodízio de pneus e checar a recomendação do seu fabricante no manual do carro.

Por que fazer rodízio de pneus?


O principal motivo pelo qual se recomenda o rodízio é para que o desgaste dos componentes seja igual nos quatro eixos, aquele gasto normal que ocorre pela quilometragem do veículo. Principalmente nos carros de passeio, que possuem tração dianteira.

Os pneus da frente sofrem mais por causa do torque do motor, esforço direcional para girar o volante, aceleração, frenagem e outros componentes.

O rodízio serve para equilibrar a vida útil dos pneus, mas também por motivos de segurança: um desgaste uniforme proporciona uma melhor estabilidade, principalmente em curvas e freadas.

Algumas montadoras não recomendam o rodízio, pois afirmam que, como eles se acostumam com a posição, ele proporcionaria menor aderência e maior desgaste. Porém, esta opinião é uma minoria: tanto entre as marcas de carro quanto entre fabricantes de pneus, há uma preferência pelo rodízio.

Na dúvida, recomendamos verificar as instruções da montadora no manual do proprietário do carro, para ter certeza da recomendação de fábrica para o seu veículo.

Como realizar o rodízio corretamente


Esta é outra questão que gera polêmica entre fabricantes: qual a melhor maneira de realizar o rodízio de pneus? Enquanto alguns advogam por fazer em “X”, em que os pneus da frente vêm para trás e alternam os lados, outros dizem que é necessário apenas trocar os dianteiros pelos traseiros, e ainda há combinações entre os dois métodos.

Uma maneira de definir como realizar essa troca é analisar o desgaste da banda de rodagem. Se for homogêneo em ambos os lados, tanto faz o rodízio em paralelo ou em “X”. Já se o desgaste for maior na direita ou na esquerda, prefira cruzá-los.

O pneu reserva pode ser utilizado no rodízio, mas apenas se for de igual tamanho dos demais. Não se deve utilizar o modelo que já vem de fábrica, que é menor. Quando há necessidade de trocar apenas dois pneus, o ideal é que os traseiros substituam os frontais, e os novos sejam inserido na parte de trás.

Ao fazer este revezamento, não se esqueça de realizar o alinhamento e balanceamento e calibrar os pneus a cada 15 dias para aumentar a vida útil.

Frequência de troca


No caso de você decidir alternar a posição dos pneus, realize em períodos de 5.000 km a 10.000 km, dependendo do nível de desgaste. Mas atenção, no caso de pneus carecas, não adianta realizar o rodízio: faça logo a troca.

Para saber se eles devem ser substituídos, verifique a marcação na banda de rodagem do pneu, no sulco. Afinal, segurança vem sempre em primeiro lugar.

Quer mais dicas sobre manutenção do carro e trânsito seguro? Acompanhe o blog da BS Autocenter!

Rodízio de pneus: como e por que ele deve ser feito
Compartilhe

Inscreva-se em Bs Autocenter